Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Blog da Ervilha

Um blog sobre tudo o que me apetece.

O Blog da Ervilha

Um blog sobre tudo o que me apetece.

The Crown (Temporada 1)

Depois uma visita ao Reino Unido, onde percorri alguns Castelos e estive a minutos de me cruzar com a Rainha Isabel II, fiquei com curiosidade em conhecer o percurso e os bastidores da realeza. Esta série permite-nos ter uma fugaz ideia do que implica ser-se da uma família real, já tinha ouvido falar dela mas era um tema que não me interessava particularmente.
Estivemos maioritariamente na Escócia, exclusivamente quase, onde a Rainha passa atualmente boa parte do ano. Essa visita mudou a minha uma perspetiva do povo e da cultura do Reino, são de facto muito ligados à família real e ao que estes simbolizam, não percebi bem o que simbolizam para as pessoas, mas percebe-se que são em si uma instituição. Esta é uma excelente oportunidade de rever lugares e conhecer a história de uma família que todos reconhecemos, liderada por uma mulher icónica.
A série começa com a problemática ligada à escolha do marido de Isabel, que desconhecia totalmente. Desenrola-se a partir daí com doença, subsequente morte do Rei e natural subida ao trono. Isabel inicia a série como alguém que não queria subir ao trono, mostrando-se até disposta a abdicar para ser mulher, mas a morte precipitada do pai e a falta de alternativa para o trono fizeram dela Rainha. Esta mulher que a todos nos parece: forte, determinada e implacável; foi inicialmente (pelo menos a julgar pela série) manipulada por inúmeras pessoas: mãe, marido, Churchill, os conselheiros, tio e a irmã. Nenhum dos anteriores realmente a apoiou ou facilitou a vida e o reinado, exceção feita à mãe que sempre salientou que “ela tinha de fazer o que tinha de fazer”, todos de uma forma ou de outra lhe dificultaram a vida e procuravam benefícios.  
Isabel mostra-se toda a série uma mulher em constante divisão entre o seu dever e o que sente, optando maioritariamente pelo primeiro. Há para mim uma exceção: o marido.

Isabel é esposa de Filipe a quem cede em caprichos e a que dá mais relevância do que lhe é aconselhado e desejável. Esta personagem desagrada-me, confesso que não gosto do homem. Deixa a mulher sozinha, não a apoia, dificulta-lhe a vida, amua e faz birras. Parece claramente frustrado pela posição que ocupa, aparentando que até gostava de ser ele o Rei. Sinceramente, não é digno do cargo, nem da mulher. Numa relação a dois nem sempre ambos estão à mesma altura e nesta, claramente, Isabel entregou-se mais que Filipe.
Winston Churchill tem imenso protagonismo nesta temporada. Ele era o primeiro-ministro à data da coroação e nos primeiros anos de reinado. Em alguns momentos foi um apoio para Isabel que ainda andava meio perdida no cargo e temia-o; noutros usou-a como marioneta para ajudar à sua governação. Em alguns episódios e série foca-se de tal forma nele que a coroa praticamente é irrelevante. Aqui mostra-se como um homem demasiado agarrado ao poder, altivo e arrogante.
Esta série melhora a imagem que tinha da Rainha, piora a que tinha de Churchill e dá-me a conhecer Filipe, que nunca percebi que existia. Ao acompanhar a série é que percebi o quão progressista o seu reinado é, mesmo me parecendo muito conservador. Compreendi que apesar de todos queremos (secretamente) ser príncipes, princesas, reis e rainhas não imaginamos o quão horrível essa posição pode ser e os contras que esses títulos acarretam.

PS: essencialmente ouvi a série enquanto trabalhava no computador, é uma excelente forma de desenferrujar o inglês 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub