Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Blog da Ervilha

Um blog sobre tudo o que me apetece.

O Blog da Ervilha

Um blog sobre tudo o que me apetece.

Sobre discriminação




Na nossa lua de mel, na Escócia, num dos locais onde estivemos hospedados enquanto percorríamos o país, estávamos os dois na entrada do hotel depois de jantar. No mesmo local estava um grupo de mulheres que discutiam o quão exóticos éramos, em inglês com a estúpida arrogância de acharem que ninguém os percebe, acabando a conversa com "Ele até é bonito, mas ela é igual às empregadas de limpeza." Quando sou uma miúda bem gira, morena de cabelos escuros, olhos escuros e amendoados. Bem mais bonita que a maioria das inglesas, com a vantagem de nunca ter apanhado um escaldão na vida:)



Antes tínhamos jantamos num restaurante típico e falávamos português entre nós, enquanto todas as mesas nos olhavam e faziam conjecturas sobre a nossa nacionalidade. Quando o Vicente tirou o casaco tinha vestida uma T-shirt le coq sportif, na mesa ao lado estava um casal relativamente novo e o senhor gritou em êxtase: São Franceses! Agora pensem que falamos sempre português entre nós e inglês com eles, mas aquelas cabeças estão cheia de preconceitos e não foram muito espertos.



Em Edimburgo, fui retida no aeroporto. Abriram-me a bagagem, cremes, computador e fizeram-me algumas perguntas enquanto o meu marido já estava noutro local.



Visitamos Paris em dezembro de 2010, estava muito frio e fiquei bastante doente, para proteger as "entradas de ar" cobri a boca e o nariz com o cachecol. Imediatamente fui olhada com medo e desconfiança. Na altura até brincamos com isso, mas depois pensamos: já imaginaste como é viver assim todos os dias?!



Agora em: PORTUGAL.



No Porto, num restaurante de topo mas não tão bom assim, onde éramos os únicos portugueses, fomos analisados como animais exóticos. Na mesa ao lado discutiam: a nossa roupa, os acessórios, as nossas escolhas do menú e o estrato social a que poderíamos pertencer. Para eles não era suposto haver portugueses alí, porque para eles somos pobres e servimos. Realmente era final de ano e aquele tinha sido o meu presente de Natal, era suposto ser um momento especial e raro, para os nossos padrões económicos. Mais uma vez falavam inglês ao nosso lado, eles invasores no meu país. Na Madeira foi ainda pior, os ingleses portam-se como colonizadores, pisam o chão com autoridade e têm locais exclusivos.



A prova que somos um país que se mistura é que temos: portugueses de cabelos e olhos claros, como temos portugueses de cabelos e olhos escuros; como temos portugueses castanhos escuros, castanhos claros ou de olhos em bico. E isso é incrivelmente bom, só percebemos como somos certos quando nos cruzamos com o errado.



O pior é que reagi levemente, lançando olhares de reprovação, mas nunca fortemente como era meu direito. Hoje arrependo-me disso e seria bem diferente. Nós temos de tratar como gostamos de ser tratados em todos os lugares, mas acho que só percebemos como se sente alguém discriminado quando somos o alvo.



Moro num bairro multi-cultural, o único por estes lados, recebo sempre uma cara de espanto quando digo "Bom dia ou Boa tarde" às mulheres e aos miúdos de outras etnias. Isso só mostra a crueldade das pessoas, como são ignorantes e que nunca sentiram discriminação; por isso discriminam, porque simplesmente nunca viveram fora da sua zona de conforto.



Cabe-nos a todos combater e evitar comportamentos discriminatórios, começando por nós próprios. Falar e apontar o dedo a quem se comporta assim, a quem defende publicamente - sem se envergonhar - o que está errado.




1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub