Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Blog da Ervilha

Um blog sobre tudo o que me apetece.

O Blog da Ervilha

Um blog sobre tudo o que me apetece.

Sobre Moçambique

Tenho por Moçambique, pela terra e pelas suas gentes, um enorme carinho; mesmo sem nunca ter lá estado. Como se explica isso? Não sei, apenas se sente.
Sinto fascínio pelo país: pela sua beleza natural, que conheço de documentários; pela gente afável, que os registos que conheço mostram ou descrevem; pela sua localização geográfica e pela comida, que mesmo nunca tendo comido, anseio comer.
A minha afeição pelo país é tal que escolhi apadrinhar uma menina moçambicana no seu percurso escolar, podia tê-lo feito em outros países, mas foi aquele que escolhi. Precisamente porque pensava ser, de entre os PALOP, o que tem maior potencial para ser “um bom país”.

Desde há longos meses que, por entre esta pandemia infinita, nos chegam notícias sobre o que lá se passa. Tudo começou, há muito mais tempo do que as notícias nos fazem acreditar, mas o impacto mediático veio com a entrada de jihadistas por Cabo Delgado que fazem em Moçambique o que fizeram em outros países africanos. Falamos de atos de violência como: homens degolados, rapazes raptados para serem transformados em crianças soldado, mulheres violadas e depois mortas e raparigas raptadas para serem escravas sexuais de soldados, os que tiveram sorte fugiram com a roupa do corpo. Tudo porquê? Não há justificação válida, mas não é certamente a religião. O homem na sua essência é ganancioso, incompassivo e cruel, qualquer homem de qualquer religião e em qualquer lugar do mundo. Aqueles homens aproveitaram a vulnerabilidade de um local atrativo e fácil de conquistar, depois de já terem destruído todo o caminho até ali, tomaram e destruíram aquele local.

Mas este fenómeno não é recente, nem novidade, desde há anos que o mundo assiste indiferente na TV ao que se passa em África sem agir, sem resolver o problema na fonte e sem grande compaixão pelo povo daquele continente. Como pessoa e como mulher lamento e doí-me ouvir os relatos das pessoas em geral, mas nas meninas/mulheres em particular sejam elas: moçambicanas, quenianas, somalis…. Admiro a sua resiliência e a sua capacidade de sobrevivência, pessoalmente penso que não era capaz de sobreviver a tal violência, aí alinho com as mulheres das Joy Division dos campos de concentração quando foram libertadas.

mapa_mocambique.jpg

 

O meu Pai

O meu Pai foi, e continua a desempenhar algumas das funções designadas, o meu: Encarregado de Educação e gestor académico, treinador de futebol, motorista, financiador a fundo perdido e exemplo.
Não foi: o melhor amigo nem confidente, e penso que não é suposto. Um Pai ou uma Mãe não devem ser os melhores amigos dos filhos, são (sem dúvida) as pessoas com quem podemos contar, sempre, mas tem uma função muito importante serem: Pais.

O meu Encarregado de Educação, coisa rara nos anos 90 onde as mães eram figura dominante neste posto, durante 12 anos de escolaridade foi: implacável. Faltas injustificadas não existiam no meu boletim final, simplesmente não me atrevia; não por temer retaliação física (porque não “apanhava”) mas porque não queria receber um sermão, um olhar de desapontamento ou um silêncio ensurdecedor de reprovação. A nível de notas tudo o que fosse menos que nível de excelência era insuficiente, o que se mantém até hoje, tanto a nível profissional como académico: menos de 15 é derrota! É uma marca pessoal e profissional: a exigência, comigo própria, não por competição, mas por motivação pessoal.
Durante a universidade passou a gestor académico, codetentor das minhas passwords para ver as notas, porque não existia internet nem computador disponível onde morava, era ele quem me informava dos meus resultados académicos e foram anos penosos, especialmente o primeiro; mas nada que ele não antecipasse. Foi mais compreensivo como gestor académico do que como Encarregado de Educação, talvez porque me via mais dedicada, mas sem alcançar os níveis de outrora.

O meu Treinador de futebol, ele adora futebol e só teve filhas, portanto aguentou-se com o que havia😊 Eu era central, fazíamos jogos amadores e o torneio Snikers, famosos na época e que nos proporcionaram memórias para recordar em jantares de amigos dessa época. Pode parecer pouco, mas no século XX não havia nada melhor ao nível de futebol feminino. Aturava-nos a nós, filhas, e às nossas amigas que formavam a equipa. Coitado penou um bocado…

O meu Motorista, como todos os pais (mas não tanto como hoje), memorável foi quando nos levou a concertos dos Excesso. Não só a nós como às nossas amigas. Imaginem o cenário: um pai e um carro com adolescentes histéricas bem a cima da lotação, olhando para trás é de louvar; outros tempos.

O meu Financiador, com um investimento financeiro a fundo perdido e sem esperar retorno do investimento, investiu no nosso futuro antes de tudo o resto. Colocou o nosso futuro à frente de tudo: do seu bem-estar, do seu conforto e dos bens materiais. Isso nunca dinheiro nenhum poderá pagar. Deu-nos a possibilidade de sermos mulheres independentes, instruídas e com uma perspetiva que poucas do nosso meio tiveram.

Em suma, o que sou (bom ou mau) a ele o devo. O meu Pai acompanhou-me, pagou as minhas despesas, foi exigente e preparou-me para um mundo que não dá tréguas.
Obrigada Pai!

P.S.: sei que o dia do Pai foi ontem, mas aproveitei o tempo livre para estar com ele e fazer coisas com e para ele.

IMG_20210319_195830.jpg

Esta foto foi das primeiras vzes em que o meu Pai  pegou em mim colo, ainda na maternidade, eu vestida de azul e coberta de pêlo.
Em 1984 as ecografias tinham um rigor enorme e fui rapaz até nascer, portanto gramei com roupa azul ou verde até tarde. Segundo reza a lenda nasci numa quinta-feira, dia de feira em Barcelos de onde veio a minha primeira roupa cor-de-rosa comprada por outro grande Pai, o meu avô. Da lenda do meu nascimento consta uma rejeição inicial do meu pai, achou que tinha sido trocada, esperava um belo rapaz e saiu uma medonha rapariga; hoje sei que não fui trocada e sei, nos silencios e olhares que partilhamos, que ele não gostaria que fosse de outra forma.



 

WandaVision

Cá em casa somos aficionados dos super-heróis, não é uma coisa infantil.
Devo começar por esclarecer que os super-heróis, tanto DC-Comics (meu preferido) como Marvel (preferido do meu marido), não são criações para crianças. As personagens que compõe estas narrativas foram criadas e desenvolveram-se em períodos históricos muito específicos, períodos de guerra ou outras tensões sociais. Estas criações têm objetivos sociais e políticos bem definidos, sendo que algumas dessas personagens foram “feitas por encomenda”.

20201211-wv-online-692x1024-1.jpg

WandaVision é uma minissérie Disney+ de 9 episódios, cada um com duração de vinte e alguns minutos, convém ver todos mesmo até ao final que tem sempre algo depois dos créditos. Vimos numa tarde de domingo a totalidade da minissérie e parece-me uma sugestão para uma tarde bem passada.

As opções de narrativa e realização não são consensuais. No entanto, apesar de estranhar inicialmente, o resultado final agradou-me imenso. Nos primeiros 2/3 episódios estranhamos tanto que quase desistimos, mas fomos percebendo que afinal “a Disney não tinha dado cabo de tudo!”, como parecia nos dois primeiros episódios.
Esta série foca-se sobre Wanda: os seus poderes, o seu potencial, a sua dor e o seu ideal de felicidade. Convém, como é referido na minissérie, lembrar que esta personagem é extramente poderosa e foi a única do Universo Marvel quase acabou com o Thanos.

Cada episódio decorre num espaço e tempo diferente, o que é também muito interessante de acompanhar, segundo os padrões de felicidade anunciados nos guiões das sitcoms americanas da época retratada. Inicialmente tudo muito perfeito, fofo e idílico.
Com o decorrer dos episódios surgem pequenos detalhes que nos despertam para que a qualquer momento tudo vai mudar, e muda. Aproximando-se da abordagem cinematográfica habitual da Marvel. Não vou desenvolver muito sobre o tema porque estragaria a quem ainda não viu, penso que será a maioria.

Vale muito a pena ver esta minissérie, porque:

  1. É boa, engraçada e interessante; mesmo para quem não gosta do género.
  2. Será essencial para perceber o desenvolvimento e surgimento de algumas das, agora, mais interessantes e principais personagens da Marvel.

 

Nomeado Melhor Filme – Drama: Pieces of a Woman (FALTA)

Nesta categoria falta, Pieces of a Woman, um grande filme, uma história bem escrita, bem interpretada e muitíssimo envolvente.

Não percebo como falhou a nomeação nesta categoria e em tantas outras onde penso que deveria estar.

É um excelente drama, do melhor que já foi feitoe com interpretações sublimes.

 

Já escrevi sobre ele aqui:
https://oblogdaervilha.blogs.sapo.pt/pieces-of-a-woman-35074

 

Escandalosamente este filme teve apenas uma nomeação:
Melhor Atriz Drama: Vanessa Kirby.


Penso que não irá ganhar, entre Viola Davis e Frances McDormand o prémio ficará por aí.

Nomeado Melhor Filme – Drama: Os 7 de Chicago

Vi, gostei e recomendo. É um filme bem escrito, bem realizado, cativante e brilhantemente interpretado; é um filme Netflix e tem um elenco galáctico.

7-de-chicago-23131203996571.jpg

A história é verídica, apesar de alguns momentos inacreditável, o que na minha opinião torna sempre o filme mais interessante; porque pode ser um momento de aprendizagem.

Este filme mostra a farsa de um julgamento realizado em 1968. Os réus são defensores dos direitos humanos, que organizaram ou estavam presentes numa manifestação para defender o fim da Guerra do Vietnam. Eram também ativistas em outras áreas, todos caucasianos, exceto um afro-americano. Para quem não viu não quero estragar o filme, mas a parte do enredo mais interessante é mesmo sobre a presença do afro-americano naquele lote.  
Sobre o filme é preciso dizer, tal como Childish Gambino, “This is America”. Aquela América que não aparecia tanto nos filmes, pelo menos com tanta regularidade e estrelas, mas que começa a aparecer. A América racista, segregadora, cheio de ódio e vícios “democráticos”; aquele país que nunca tive vontade de conhecer porque, eu cheia de preconceitos, sempre tive péssima imagem dele.

A maior democracia do mundo”, afirmam, este filme mostra claramente que tudo o que tentam vender sobre é país é, basicamente, um engodo.

Outras nomeações:

Melhor Realizador: Aaron Sorkin 

O filme está bem realizado, deixando que a história, as personagens e as interpretações não sejam subjugadas a vedetismos de realização. Muitas vezes basta isso, não estragar.

 

Melhor Ator Secundário num Filme: Sacha Baron Cohen 

Não surpreende ninguém a dupla nomeação deste ator, é de facto um dos melhores e mais versáteis de indústria. No filme, tem uma personagem das mais complexas e interessantes, faz uma grande interpretação. No entanto, penso que não ganhará, porque Jared Leto em The Little Things é absolutamente fabuloso.

 

Melhor Argumento: Aaron Sorkin 

Sem dúvida uma excelente história, bem contada e acessível a todas as pessoas. 

 

Penso que este filme não ganhará nenhum dos prémios para que está nomeado, mas, de entre os que analisei até agora, foi o que mais gostei.

Nomeado Melhor Filme – Drama: Nomadland

Na minha opinião é melhor que Mank, mas entendo que não é um filme consensual.  A primeira parte do filme achei melhor que a segunda.

É um filme feito (maioritariamente) com pessoas reais que passaram pelas vivências filmadas. É um filme  pesado, cheio de silêncios e introspeção; o que nem sempre é fácil de perceber ou assimilar. Pessoalmente agradou-me mas penso que não agradará a todos. Penso que, dentro dos critérios habituais dos prémios, será o segundo favorito.

É um filme simples sobre pessoas reais, uma realidade pouco mostrada dos Estados Unidos. A dura realidade da crise económica de 2008, das pessoas que perderam tudo, que tiveram de reaprender a viver e nessa aprendizagem encontraram um novo estilo de vida: nómada.
Penso que é também um bom ponto de reflexão para que muitos percebam que, de facto, há uma geração que foi mais afetada do que outra.
Podemos perceber que a sociedade americana é: uma sociedade onde as pessoas comuns estão mais desprotegidas e é menos solidária. Este filme pode, eventualmente, fazer com que valorizem o que construímos no nosso país: um estado social, solidário e com saúde para todos. Que muitos se esforçam por destruir pensando apenas nos próprios umbigos.
Este filme é sobre pessoas para pessoas, para gerar empatia com quem mais sofre (em silêncio) mesmo ao nosso lado, porque a pobreza envergonhada é imensa e difícil de assimilar para quem dela padece.   

Nomadland_(cartaz).png

 

Outras nomeações:

Melhor Realizador: Chloé Zhao 

Gostei bastante da forma como estava realizado, achei muito diferente do habitual e bom.
Gosto dos planos, da fotografia, da sequência das filmagens e do foco nos pequenos detalhes que contam a história.
Sendo um filme de conteúdo denso, a forma como está filmado dá espaço a que cada um o siga de forma com que mais identifica.

 

Melhor Atriz – Drama: Frances McDormand 

Penso que este prémio dificilmente será entregue a outra atriz, esta atriz é o filme.
Logo, segundo os critérios habituais, não escapa o globo de ouro nem o Óscar. Só mais um, no caso desta atriz excecional. 

 

Melhor Argumento: Chloé Zhao

Pelo que vi até agora penso que merece, não é fácil idealizar um argumento daqueles. Apesar das poucas falas, o argumento é muito complexo e a dinâmica da história é imensa.

 

Nomeado Melhor Filme – Drama: Mank

Sobre os nomeados dos Globos de Ouro de 2020 (entrega a decorrer em 2021), torna-se cada vez mais claro que é uma indústria dominada por homens brancos, com a mania que são intelectualmente superiores.
Penso que um filme simples pode ser bom, tal como um filme sobre a vida real das pessoas "normais" ou um filme onde a personagem central seja uma mulher, mesmo não sendo uma diva da sétima arte. Nota-se um padrão, todos os anos, nas nomeações: quanto mais complicado e mais estranho mais favorito; enfim!

Decidi comentar um nomeado por dia para os Globos de Ouro.

Começo pelo favorito da crítica, Mank.

Vi, mas não gostei. Podem dizer, este filme não é para todos. Ok, a meia dúzia de homens que se acham a última bolacha do pacote pode meter o filme nos seus favoritos, só porque fica bem dizer que se gostou deste filme. 
Tem uma péssima fotografia o que dificulta a visualização do filme, que não sendo a cores deveria ter tido melhor tratamento.

A história é boa, mas o roteiro não é muito do meu agrado.
Interpretações brilhantes, mas não suficientemente boas para fazer dele um bom filme.

Outras momeações: 

Melhor Realizador: David Fincher este realizador já fez muitos filmes bons (é realizar de alguns dos meus filmes favoritos, portanto gosto muito do trabalho dele), mas neste penso que não merece ganhar. O filme vê-se mal, portanto não está bem realizado.

No entanto, se tiverem de apostar, apostem neste. Especialmente para os Óscares que são ainda mais standard que os globos de ouro, se for estranho o suficiente ganha. 

 

Melhor Ator – Drama: Gary Oldman achei uma excelente interpretação, mas penso que não ganhará. 

A minha aposta é que este prémio será póstumo: para Chadwick Boseman em Ma Rainey’s Black Bottom, na minha opinião se assim for será merecido.

Melhor Atriz Secundária: Amanda Seyfried apesar de gostar bastante da interpretação, tem pesos pesados nesta categoria, não sei se ganha.

Melhor Argumento e Melhor Argumento Original: este filme está nomeado nas duas categorias, pois bem é mesmo assim quando é para meter no pedestal é à bruta. A história é boa, mas não está bem contada. Apesar de ser uma excelente forma de se entrar no era dourada do cinema, de Mank ser uma figura fabulosa, o filme tem momentos chatos e é difícil de seguir, logo está mal escrito. Com a base que tem podiam ter feito muito melhor. Mas é possível que ganhe.

 

Sobre Mank é isto. Não recomendo a quem goste de filme por entretenimento e arte, este filme é chato e difícil de ver, não recomendo.

 

Mank-Poster-1200x628.jpg

 

He even has your eyes

MV5BZjUwOTc5MGItZjMxYS00YTRlLTgxZWItMmZjYmNjYTA0Y2

 

He even has your eyes é uma comédia francesa que podem ver na Netflix, pessoalmente acho que é precisamente neste género que está o melhor que o cinema francês tem para dar. É um filme fora do comum, focado numa família negra, de diferentes origens, que adota um bebé branco. É uma forma bem interessante de ver e desconstruir preconceitos dos dois lados.

As interpretações são muito boas, a história está bem escrita e o humor é muito bom, em quantidade e qualidade. É um filme ligeiro, original e bem feito, recomendo vivamente para aqueles dias que apetece ver algo bom, mas que não nos doa nenhum pedaço da alma durante e depois de ver o filme.

Recomendo vivamente para relaxar ver com a família e dar umas boas risadas. A classificação reflete isso, ainda que não seja um filme para Óscares é do melhor que se faz neste género, tão difícil.

Classificação: 18, de 0 a 20.

Bridgerton

Devorei esta série de uma assentada, absolutamente irresistível, muito mais profunda e intensa do que mostra o trailer. É uma série de pessoas, de mulheres para mulheres e para alguns homens que possam estar interessados em aprender sobre mulheres. Muito bem escrita, realizada e com uma fotografia irrepreensível.

bridgerton-season-1-poster-simon-basset-43618722-2

 

Reduzir esta série a adjetivação como “romântica sobre uma alta-sociedade alternativa” é errado e, efetivamente, redutor. Agrada-me que se aborde abertamente: o prazer feminino, a possibilidade de família e felicidade conjugal sem filhos, o que é ser mulher por si. Gosto do foco sobre descobrir o amor pela amizade e não apenas pela paixão; buscar ter ao nosso lado para o resto da vida o nosso melhor amigo, sendo este o segredo de um casamento feliz. Ainda que, pense que ninguém pode amar o que não achar belo.

Minhas senhoras, recomendo vivamente a série, sim particularmente às senhoras. Não por achar que o tema é feminino, mas porque acho que é um regalo para os nossos olhos o protagonista, pode até ser mais agradável vê-la sozinha que acompanhada. Poucas são as vezes em que existe a preocupação de agradar ao público feminino nesse sentido, portanto devemos aproveitar a oportunidade.

Não posso dizer que seja o tipo de séries que normalmente veja, mas esta entusiasmou-me e é diferente, realmente agradou-me. Não gosto de séries com o rótulo de femininas por serem ligeiras, como se as mulheres só gostassem de novelas, não achei a série ligeira penso que é até bastante profunda e introspetiva.


Nota histórica: é curioso verificar que, ainda que não da forma como é retratado na série, existiam de facto nobres negros e uma rainha de traços não caucasianos em Inglaterra. Essa rainha era alemã e tudo foi possível graças a um rei português, o que só dá força à minha tese de que sempre nos misturamos.
https://www.bbc.com/portuguese/internacional-48210712

Classificação: 17, de 0 a 20.

 

Pieces of a Woman

Este filme Netflix é exatamente o estilo de filmes que aprecio: irrepreensivelmente interpretado, bem escrito, como uma história real e crua. A realização mostra cuidado do maior ao mais ínfimo pormenor.

Pieces-of-a-Woman-HIGHRES-1500x1875.jpg

É um filme sobre pessoas, as suas opções e as consequências que estas opções têm nas suas vidas. A história é sobre um casal, onde a mulher é dominante, que escolhe -como esteve muito na moda, mas não me vou estender em considerações sobre este assunto- ter o filho em casa com a ajuda de uma parteira, as coisas correm mal, a criança morre e isto tem consequências. O filme é intenso e faz-nos sentir coisas, muitas coisas. Penso que trata essencialmente o complexo processo de luto, dor, mudança e aceitação.

As personagens são muito reais, específicas e estudadas ao detalhe. As escolhas para as interpretações são acertadas e terão de ser reconhecidas e premiadas. Se gostaram de Manchester by the Sea ou Ben is Back vão gostar deste filme. É sem dúvida um filme para Óscares de interpretações e roteiro, pelo menos. No entanto, não é um filme consensual nem fácil de ver, como a vida não é fácil, mas é a vida.

 

 

Classificação: 19, de 0 a 20.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub